O Desenvolvimento Auditivo

Desenvolvimento da Audição

      O desenvolvimento fonoaudiologiada audição se inicia na vida intra-uterina. As estruturas do ouvido médio e interno já estão formadas no quinto mês de gestação, e as fibras do nervo auditivo começam a se mielinizar durante o sexto mês de gestação. Portanto, durante a gestação, antes do nascimento o bebê já é capaz de ouvir e até de distinguir diferentes tipos de sons, como vozes familiares e não familiares, altura, intensidade e até determinar de onde vem o som (Klaus, M, 1989).

    Os bebês de 4 a 16 meses passam por amadurecimento e desenvolvimento dos comportamentos das respostas auditivas. Entre 9 e 10 meses começam a dar sinais de que compreendem palavras faladas por pessoas ao seu redor. A partir dos 2 anos, a criança compreende ordens simples e responde adequadamente as perguntas feitas pelo interlocutor. Entre os 3 e 5 anos, compreende tudo que é falado pelo adulto e pergunta quando não compreender. Devido ao processo de maturação do sistema auditivo, o comportamento auditivo da criança se assemelha ao do adulto somente entre os 11 e 12 anos de idade (Penna, LM, 2013).

     Os primeiros 6 meses de vida são decisivos para o desenvolvimento futuro da criança deficiente auditiva. Deste modo, à fim de garantir adequado desenvolvimento social, cognitivo, da compreensão e da expressão da linguagem é importante que a criança passe pelo processo de detecção de alterações auditivas, que deve começar com a triagem auditiva neonatal – teste da orelhinha, acompanhada do diagnóstico e intervenção precoce.

      Os seguintes sinais podem ser um indicativo de alteração auditiva: a criança não se assusta com sons fortes; com 5/6 meses não procura localizar a fonte sonora de som; precisa de um volume de som mais alto para poder escutar; diz “o que” com frequência quando falam com ela e parece não reagir quando a chamam; por volta dos 12 meses de idade não entende instruções simples sem uso de gestos, tais como “vai buscar a bola”; retrai-se do contato social e reage, eventualmente, com agressividade.

      É importante compreender que as alterações auditivas, mesmo pequenas e transitórias, podem estar associadas a distúrbios da fala e do aprendizado. A estimulação auditiva favorece o desenvolvimento da linguagem e a interação da criança com o meio.

Fga Andressa Bueno